sexta-feira, 13 de maio de 2011

MENINOS DE RUA!


João Pedro Palmieri, erudito advogado que foi Presidente da OAB/Ribeirão Preto/SP, e hoje residente na cidade de Areado, no Estado de Minas Gerais, grande amigo que tivemos a honra em visitá-lo com outro grupo de amigos, escreveu com muito acerto e propriedade, em sua pequena grande obra “Do Direito Às Fronteiras Da Vida”, um artigo que tem muito a ver com todos nós, que pensamos como seres humanos, e que merece muita reflexão, a respeito da criança abandonada, cujo título “MENINOS DE RUA”, Aqui vou transcrever:” a Constituição Federal reza, em seu artigo 227, que” É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde,à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária; além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, crueldade e opressão”. ALBERT EINSTEIN, num momento de rara inspiração, fez vir à luz esta incontestável verdade: “ Não existem grandes descobertas nem verdadeiro progresso enquanto existir uma criança infeliz no mundo”. Em verdade, todos nós temos uma dívida social para honrar, já que o problema do menor carente e abandonado é e será sempre do maior que teve berço, escola,; que não passou fome e vive com a dignidade que o ser humano merece. Aí estão nas ruas, nas praças, na periferia da cidade grande os meninos e as meninas que perderam sua identidade, que não têm horizontes e perambulam sem saber o que lhes reserva o futuro. Tristes, tomados de medo, inseguros, geralmente não têm para onde ir quando o sol se põe, à míngua de um lar que possa acolhê-los. Seus critérios têm raízes na revolta, na violência, no abandono e na fome, por isso agridem, ferem, sem se importar com sua própria vida e com a dos outros. E nós, frios,espectadores desta realidade cruel, permanecemos acomodados na gama de bens que a vida nos emprestou e colocamos a culpa no Poder Público, sob o pálido argumento de ser ele incapaz de gerir e resgatar este incomensurável débito social. Esquecemo-nos, contudo, do mandamento constitucional invocado no preâmbulo deste modesto trabalho, pelo qual a família, a sociedade e o Estado são parceiros e co-responsáveis por este abundante contingente de pequeninos excluídos. Aliás, o esquecimento é proposital e tem raízes no comodismo, porque sempre foi e sempre será mais fácil fazer pesar a culpa sobre os ombros de um pobre e indefeso bode expiatório. É preciso fazer alguma coisa antes que seja tarde demais, nós que somos servidos por tantos bens temporais, temos o dever de servir desinteressadamente, sob pena de sermos alijados, amanhã, da riqueza espiritual, esta sim, perene como a relva e sempre radiante como o sol das manhãs de primavera”. Pois é amigo João Palmieri, somente uma cabeça iluminada como a sua seria capaz de um texto como este, por isso rogo a Deus que te ilumine sempre, pois não é fácil, as vezes dá vontade desistir de tudo, em face das maldades e maledicências que vimos diariamente, onde pessoas travestidas de seres humanos e o que é pior, pessoas ricas, tentam arrancar dinheiro de quem trabalha nas mais variadas formas, e quando deparamos como pessoas como você, vemos que nem tudo está perdido e que ainda existe gente boa na face da terra...Um beijo na querida Yara.!

29 comentários:

  1. Dedico-me ao estudo do Direito até a exaustão. Defendo a classe dos advogados e a efetividade da justiça com afinco, busco cantar o direito à vida e à liberdade em prosa e verso, porém defender a dignidade humana como fizeram o Dr. João Pedro Palmieri e o Dr. Joel de Araujo (este último, autor do blog) é colocar à minha frente uma grande nota zero na escola da vida, afinal, produzo inúmeras teses, sou reconhecidamente uma mulher inteligente, porém sinto agora que me falta humanidade, carinho e afeto no trato para com os meus pares. Dr. Joel, parabéns por suas palavras e por sua nobreza. Sua sempre fã, Dra. Thereza (mestre em Direito).

    ResponderExcluir
  2. eu não concordo com essa doutora e pela primeira vez não concordo com o dr. joel, já que sou fiel seguidor e olha só! se todos os inteligentes do mundo resolverem usar a inteligência para ajudar os menos favorecidos, teremos estudado para quê? para amparar gente folgada que depois da maioridade vive grudada na casa do pai, da mãe, que não trabalha, que não estuda (sem contar os piores, que são aqueles que já estudaram até a faculdade mas resolveram que não gostam da área e vão ficar lamentando a escolha o resto da vida só para se encostar no pobre dos pais para continuar sugando, sugando, sugando? ah, dá licença essa doutora thereza e foi muito triste o dr joel ter comprado essa causa do dr. joão pedro. dra. use sua inteligência sim para continuar produzindo tese, porque aí se for a dra. thereza que eu estou pensando posso continuar a mencioná-la nas minhas petições com o rigor que o direito merece nesses casos do pessoal mamando nas tetas do governo ou gente sem ter o q fazer que vive com idéias mirabolantes sem nunca sair nenhuma do papel só fazendo teatro para acharem q existe algum esforço. Até tem esforço né... de permanecer inerte e incapaz pq tem algum tonto amparando. Júnior. Advogado e pai de sanguessuga.

    ResponderExcluir
  3. concordo com o júnior. nada de ajudar gente desocupada principalmente se nasceu em berço de ouro esse pessoal de classe média alta de hoje em dia é tudo vagabundo. estuda medicina, direito, odontologia e não exerce para continuar infurnado dentro de casa.

    ResponderExcluir
  4. pois é pois é pois é pois é

    ResponderExcluir
  5. vixi maria. tem pai pagando pensão depois dos 18 pelo jeito rsrsrsrsrs bem feito. quem mandou colocar filho no mundo? e se tão fazendo isso é porque vcs mesmo não deram educação para esses riquinhos metido a besta. bem feito revoltados pagadores de pensão pós 18

    ResponderExcluir
  6. Com muita alegria posso dizer que meus pais fazem parte do seleto grupo de pessoas caridosas ainda existentes no mundo. Lamento apenas os comentários feitos acima que demonstram inexistência do sentimento de caridade por mágoas e ressentimentos familiares ou até mesmo para com o Estado. Sejam boas ou más, todas as pessoas são merecedoras de respeito e devem ser tratadas com dignidade, afinal, nem todas tiveram a mesma educação que a nossa e muito menos as mesmas oportunidades. Cabe a nós, pessoas privilegiadas aos olhos de tantos, darmos o exemplo do agir cristão e não apenas porque a Constituição Federal determina a garantia da dignidade humana, do direito à vida e à liberdade, mas porque fomos todos feitos à imagem e semelhança de Deus. TODOS, sem distinção. Daniele.

    ResponderExcluir
  7. Caramba. Um montão de pessoas estudadas, mas que
    não são capazes de entenderem a mensagem dos autores, que se voltam "para as pessoas pobres, aqueles que nada têm", e confundem com os filhinhos de papai "picaretas". com certeza a preocupação não é com esses picaretinhas iguais seus papais que não souberam educá-los.

    ResponderExcluir
  8. Se for parar para pensar, ainda vamos de joelho pedir perdão por e para essas crianças abandonadas, independente do que fazem Lendo um texto como esse eu vejo que não passo de um miserável.Otávio Kruigerman.

    ResponderExcluir
  9. ahhhhhhhhh tah. q bom q retomaram a discussão do texto

    ResponderExcluir
  10. A teoria da proteção integral estatuída no artigo 227 da CRFB/88 remete não apenas o Estado, mas TODOS à obrigação de assegurar o sadio do desenvolvimento da criança e do adolescente, e isto porque são seres humanos em desenvolvimento. Garantir a dignidade de uma criança é antes de mais nada acolhê-la, ampará-la, respeitá-la, e especialmente as crianças de rua devem ser ENXERGADAS, RESPEITADAS, independentemente de possuírem boas maneiras, certo que a maioria age como se fosse nossa obrigação ajudar-lhes com esmolas, e digo independentemente porque não são privilegiadas como nós somos. Não têm culpa da educação que lhes foi dada, não têm culpa de receberem o exemplo que receberam em casa. Assim considerado, e sabendo que nós é quem somos as pessoas instruídas e que se intitulam cristãs, quem é que deve ajudar quem? Os pequeninos com certeza estão nos dando a oportunidade para sermos seres humanos melhores, pois repito, com toda a nossa instrução e educação, nós é quem devemos dar o exemplo de acolhida e resgate de uma criança, e só faremos isso transparecendo respeito e amor, afinal, nenhum deles foi privilegiado como nós somos... A culpa não é nossa, mas também não é deles. Daniele Wahl de Araujo e Giorni.

    ResponderExcluir
  11. o joel está até parecendo vicentino. você é da sociedade são vicente de paulo? se não for sinta-se agora mesmo convidado. Jonas

    ResponderExcluir
  12. dr. joel. meus parabéns. a luta pelos menos favorecidos no mundo atual deveria ser a bandeira de cada um dos cidadãos em primeiro lugar. fórum, 16 de maio. 16:11.

    ResponderExcluir
  13. Eu conheço um cara que todo mundo conheçe como
    "Paulinho Marmita", dono de restaurante xique,
    que prefere jogar comida fora, que sobra porque
    não vende tudo, ao invés de doar aos meninos pobres que estendem a mão enfrente seu estabelecimento. E assim é a vida, são os "Paulos
    marmitas" dessa vida que deixa o mundo cruel.Cícero da moto.

    ResponderExcluir
  14. governos arrecadam tributos dos cidadãos,para repassar em feitoria a sociedade exemplos:escola lazer,saude...
    mariana uniesp matutino

    ResponderExcluir
  15. Sabemos que a finalidade ,da arrecadação de tributos pelo governo,é de reverter para o povo,em forma de beneficios ,e qualidade de vida ,e condições dignas de vida para o mesmo.|Porem sabemos que na pratica não é bem isso oque acontece.Mas independente de tudo ,é preciso cultivarmos o sentimento de ajuda ,a quem se encontra numa condição inferior a nossa,e que para os empresarios existe inclusive beneficios tributarios e ganhos financeiros aõs que destinarem uma parte de seus lucros a praticas sociais , bem estar e desenvolvimento humano.Oque levara tambem a empresa a ter uma boa imagem perante a sociedade e seus clientes.Um desses projetos pode ser para tirar essas crianças da rua ,qualificar e prepar as mesmas para o mercado de trabalho.Concerteza o ganho com o ato em si ,seria muito maior que o ganho financeiro,Marcelo Rodrigo Prado.Uniesp,manhã.

    ResponderExcluir
  16. Sabemos que muitas vezes a verba arrecadada de nossos impostos nao sao devidamente usada em beneficio da populaçao ,e isso ja vimos sendo comprovado pelo ministério publico.Toda verba arrecadada deveria ser usada em prol das crianças de rua, assim sendo todo cidadao pagaria seus impostos consientes de que estaria contribuindo para um mundo melhor para essas crianças .juliana uniesp,matutino.

    ResponderExcluir
  17. O presente artigo apresenta uma breve análise da importância social e do favorecimento as pessoa independente de suas posição se encontra as margem da sociedade excluída.
    No ponto de analise não se trata de espécie de tributo e sim como eu e Você estamos vendo pessoas e diversas etnias sendo cada vens mais maltratadas por seres humanos que delega a si próprio como protetor de Recursos Humanitário.
    Como estudante sei que é uma pena que saiamos de cursos universitário sem o preparo para sermos cooperadores ma vida de nossa equipe, mas saiamos com um perfil de que tem que ser o melhor independente dos outros. (CLEVESON ALBERGONI)

    ResponderExcluir
  18. A preocupação do Dr. Joel é pertinente, tendo em vista que sim todos somos resposaveis pela socieldade e não só os governantes, encontrar meios de contribuir com a sociedade é uma obrigação de todos.
    Deixo aqui minha opinião, devemos sim ajudar as crianças menos favorecida, deixando claro que sou contra a pratica de dar esmola, devemos contribuir para instituições respeitadas que cuidam e dão uma base social a essas crianças, a esmola por sua vez vai dar algo satisfatorio no momento, apaga o incendio, e o restante da vida o que será dessa criança.
    Está de parabéns Dr. Joel. Anderson Pimenta

    ResponderExcluir
  19. Podemos entender que Os bens e serviços são custeados pelos tributos pagos pelo proprio cidadão,onde nem sempre os tributos são revertidos a sociedade em forma de bens e serviços publicos,mas como seres humanos temos que garantir nosso amor e afeto aos menos favorecidos e olhar não oferecendo de forma simples ,mas os preparando para vida já que lhe faltou estrutura. Empresas deveriam sempre dar uma oportunidade ao menor aprendiz e ajudar a prepara-los para luta...

    Gislene almeida.
    Uniesp (matutino)

    ResponderExcluir
  20. Sempre que se aborda um assunto como este costuma-se colocar a culpa no governo, mas na maioria das vezes nos esquecemos que quem os escolhe e os coloca no poder somos nós mesmos.
    Não podemos mudar o mundo todo mas podemos contribuir para a melhora da vida dos que estão ao nosso redor,já que somos agraciados por ter uma melhor condição de vida porque não ajudar os menos favorecidos.
    Jéssica Marreiro
    Uniesp matutino

    ResponderExcluir
  21. Sabemos que a arrecadação de impostos deve ser revertida a favor da sociedade,em melhoria da qualidade da vida, mas na prática isso não acontece.Por tanto nós estamos sempre querendo achar o "culpado",sendo que poderíamos estar dando uma ajuda voluntária.E com isso estaríamos ajudando o próximo e talvez mudando algumas vidas.Talita UNIESP(matutino)

    ResponderExcluir
  22. Os impostos pagos pelas empresas tem como fim trazer beneficios à população como a garantia a saúde, lazer, educação entre outros direitos dos cidadãos, vimos que nem sempre conseguimos saber como está sendo feita a distribuição desses recursos e também que existem muitas discrepancias em nossa sociedade, como crianças abandonadas, jovens que não conseguem se colocar no mercado de trabalho, gravidez na adolescencia e muitas outras coisas que de uma forma geral não dependeria dos impostos para deixarem de existir porem que geram um gasto muito grande aos cofres públicos, logo conforme estudado em semestre anterior até mesmo a nossa aposentadoria sofre risco de ser extinta, em um país onde trabalhamos cerca de cinco meses para pagar a carga tributária que nos é imposta, em um País que a carga tributária é uma das mais altas do mundo,temos muito contato com a fome, o analfabetismo, e pessoas que subesistem de maneira precária, não so crianças mas adultos e idosos também.
    Muito interessante vermos tal situaçao em uma Nação que é lider de arrecadação de tributos.
    Renata Paiva, Uniesp Matutino

    ResponderExcluir
  23. Convivemos em sociedade e estamos sujeitos a cada momento, à situações das mais diversas possíveis. Você se mostrando e praticando gestos ou atitudes corretamente, poderá servir de exemplo para as demais pessoas do seu convívio social, despertando assim o interesse da capacidade em cada um, de que mudanças comportamentais para o melhor, poderão ser possíveis, e essa iniciativa deve partir de cada um de nós, e de querer por em prática todas as nossas boas ações, fazer o bem sem olhar a quem, é um sentimento nobre e raro, mas que tem um poder enorme de satisfação pessoal para cada um de nós se o fizermos.A integridade e caráter são qualidades imprescindíveis para a formação do ser humano,temos que ter a capacidade de saber diferenciar o que é bom e o que é mau, e seguir um caminho onde estar sempre pronto à ajudar e de bem consigo mesmo, nos torne cada vez mais, pessoas responsáveis em nossas nobres atitudes.
    Jersen James Gil UNIESP Matutino.

    ResponderExcluir
  24. Muitas pessoas hoje em dia não dão a mínima importância para as crianças de rua, as maltratam, chingam e não estão nem aí. Mas se em vez de ficar criticando e ajudasse, teríamos um mundo muito melhor, com pessoas dignas, altruístas, que fazem o bem e proporciona algo de bom para a sociedade.As pessoas hoje em dia são cada vez mais materialistas e não cultivam o amor ao próximo, que é o maior mandamento de Deus.
    Portanto vamos fazer o bem e cultivar cada vez mais o amor ao próximo.
    Pâmela Caroline
    Uniesp - Matutino

    ResponderExcluir
  25. JOEL DE ARAUJO, AUTOR DO BLOG DISSE:
    Prezados, agradeço a visita de todos voces ao meu Blog, e aproveito para fazer minhas as palavras do maior Advogado que Sorocaba já teve, O saudoso dr. Helio Rosa Baldy, que analisando o sistema e o "nada"que o Estado oferece ao menor abandonado disse apropriadamente:"E breve, num congresso de homens de boa vontade, surgirá uma proposta: vamos diminuir o limite de idade para alcançar, com responsabilidade penal, esses meninos criminosos!Ou, num outro congresso, com outros homens de boa vontade,virá outra solução: vamos ampliar os casos de pena de morte, para diminuir a delinqüência... ou os delinqüentes! E numa outra oportunidade, em que se realizará outro tipo de congresso, onde comparecerão os magnatas internacionais para discutir as conveniências do investimento de seus fabulosos recursos na ajuda aos subdesenvolvidos, cuidará a nossa ordem social de remover das ruas as crianças abandonadas, os pedintes ,os aleijões, para não incomodarem com sua miséria a opulência dos visitantes... Mas onde estava a ordem social no momento em que o amparo à criança desvalida era imprescindível para lhe saciar a fome, abrigá-la do frio, assegurar-lhe o carinho, fazê-la sentir que estava vivendo entre irmãos? Onde estava a ordem social para socorrer aquela mãe solteira que, premida pela impossibilidade de alimentar mais uma boca ou pressionada pelas convenções farisaicas, teve que sufocar seu imenso amor para deixar numa porta qualquer o filho que desejaria criar? Onde estava a ordem social para preservar a integridade de uma família, no momento em que a doença impediu o trabalho e a desgraça abriu a porta do barraco para que por ela passassem a prostituição,a mendicância e a delinqüência?".Vamos ajudar a evitar isso ? Pois é, se levada a sério a nossa Constituição Federal, e fosse mobilizada a sociedade para cobrar os poderes constituídos, será que teríamos essa legião de menores abandonados delinquentes? Não é chegada a hora de lutarmos, todos juntos pelo menor abandonado?Vamos nos unir, e darmos as mãos para cobrar que o preceito constitucional apontado, se efetivo, pois enquanto isso não acontecer, não podemos afirmar que vivemos em uma sociedade justa, fraterna e solidária. Fiquem todos com Deus!

    ResponderExcluir
  26. Eita nós heim. Lá vem o apelo para ajudar a criançada que não trabalham e saem por aí aprontando. Tenha dó seu doutor, tenta uma lei
    para essa criançada passar o dia todo na escola
    e resolve-se o problema, quando eu me formar não vou dar moleza para essa criançada.
    Luiz Alfredo/Unip/Sorocaba/Curso de Administração.

    ResponderExcluir
  27. Vejo que já passada a hora de ajudarmos as criancinhas desamparadas, justamente pela falta
    de pessoas com a mesma sensibilidade dos autores do texto e do blog. Parabens aos sensíveis cidadãos.

    ResponderExcluir